29 de setembro de 2018

Mulheres realizam atos contra presidenciável Jair Bolsonaro na Paraíba

Na Paraíba, protestos contra Jair Bolsonaro foram iniciados em Patos. Foto: Rafaela Gomes/TV Paraíba

Manifestantes contrários ao candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) iniciaram uma série de atos públicos em diversos estados brasileiros e em outros países, neste sábado (29). Em alusão ao evento foi criada a hastag #EleNão nas redes sociais, que também é compartilhada por artistas internacionais. Na Paraíba, o protesto foi iniciado com atividades de rua nas cidades de Campina Grande e Patos, no Sertão paraibano, pela manhã. À tarde, está programada uma manifestação em João Pessoa, na Praça da Paz.

Em Patos, o ato iniciou concentrado na Praça Edvaldo Mota, no Centro, por volta das 9h da manhã, depois seguiu pelas principais avenidas da cidade e terminou na praça Getúlio Vargas, por volta das 10h. Segundo informações da repórter Rafaela Gomes, da TV Paraíba, o protesto foi pacífico. Também não houve estimativa de público nem pelos organizadores, nem pela Polícia Militar.

Já em Campina Grande, o ato se tornou itinerante, após o juiz da Propaganda de rua, Horácio Ferreira de Melo Júnior, desautorizar a realização do ato na Praça da Bandeira, Centro. O magistrado justificou que uma outra coligação já tinha marcado previamente um evento para o mesmo local. Horácio, então, recomendou que as mulheres promovessem a manifestação em outro local no centro de Campina Grande, o que acabou acontecendo.

Protestos em Campina Grande também ocorreram pela manhã. Foto: Josusmar Barbosa.

O protesto usou a Praça da Bandeira para concentração e seguiu pelas vias da cidade, percorrendo as ruas Marques do Herval, Venâncio Neiva, Maciel Pinheiro e Barão do Abiaí. A advogada Glauce Jácome, presidente do PCdoB, disse que o objetivo da manifestação é combater a candidatura de Bolsonaro. “Este é um movimento independente de mulheres, de negros, de luta contra o preconceito. Estamos nesse período eleitoral e esse candidato a todo momento demonstra esse ódio para prejudicar as minorias. Essa marcha é contra o fascismo e contra todo tipo de preconceito”, pontuou.

Mais atos

Multidão se reúne em atro contra Bolsonaro em João Pessoa. / Foto: Zuila David

Em João Pessoa, o protesto ‘Mulheres Unidas contra Bolsonaro’ está acontece na Praça da Paz, no bairro dos Bancários. De acordo com a Polícia Militar o ato teve início por volta das 16h. Até às 18h os manifestantes ainda estavam na praça. A polícia não soube informar quantas pessoas participam do ato.  No evento criado no Facebook mais de  7 mil usuários tinham fixado interesse em participar e outros cinco mil confirmaram presença no ato.

 

Protestos a favor

Atos a favor do candidato Jair Bolsonaro também foram registrados durante a tarde deste sábado na Paraíba.

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem no centro e João Pessoa / Foto: Zuila David

Em João Pessoa o ato ‘Mulheres A Favor Do Bolsonaro 17’ está aconteceu  na Praça da Independência,  no centro da cidade. Não foi divulgado o número de pessoas que participaram do ato, mas na página do evento no Facebook haviam 399 interessados em participar do protesto e outros 186 que confirmaram presença. A manifestação acabou por volta das 17h30.

Em Patos no sertão do estado está acontecendo uma carreata a favor do presidencial Jair Bolsonoro. O ato começou por volta das 18h, simpatizantes do candidato se reuniram no bairro Bivar Olinto, vestindo camisas verde e amarelo com faixas de apoio ao presidenciável e seguem até o Terreiro do Forró.

Apoiadores de Bolsonaro fazem Carreata em Patos, Sertão da Paraíba. / Foto: Rafaela Gomes

 

O comandante do Policiamento Regional Metropolitano, Lívio Delgado, informou que atuará com um efetivo suplementar no local do evento em João Pessoa  e nos atos em favor de Bolsonaro, previstos para acontecer neste domingo (30) também em João Pessoa e em Patos. “Estamos trabalhando com a possibilidade de suplementar com o Bope, como uma reserva para um evento acirramento dos ânimos. Mas não acreditamos que seja necessário. Não há necessidade de violência. Cada um que se manifeste nas ruas de forma pacífica e dê sua resposta nas urnas no próximo dia 7 de outubro”, afirmou.