5 de setembro de 2018

Nelson Junior vota em Boulos mas defende Lula livre para a disputa

O candidato ao Senado pelo PSOL foi sabatinado na CBN.

 

Um dos dois candidatos ao Senado pelo PSOL, o professor Nelson Junior disse que, apesar de votar em Guilherme Boulos para presidência da República, defendeu que o ex-presidente Lula (PT) seja declarado elegível para a disputa ao Palácio do Planalto, mesmo preso. Para o candidato, que foi entrevistado pela CBN nesta quarta-feira (5), o petista é preso político e a decisão precisa ser revista. O candidato também defendeu uma nova reforma política e falou de algumas propostas, caso seja eleito.

Para Nelson Junior, há no Brasil várias políticos com provas cabais que deveriam estar presas, mas sem em liberdade, como o senador Aércio Neves (PSDB) e o presidente Michel Temer (MDB). “Pessoas que contribuíram para o golpe continuam soltas. Aércio, aquele amigo de Cássio Cunha Lima, que disse em rede nacional que mataria o primo se ele abrisse a boca, continua solto; Temer, que disse ‘continua com esse negócio aí’ e continua solto e presidente. Fui oposição pelo PSOL e tenho tranquilidade para dizer isso, mas neste caso há muitos que mereciam estar presos e estão soltos”, reiterou.

Reforma política

Nelson Junior também falou das disparidades entre as campanhas e defendeu uma reforma política que divida igualmente um fundo partidários e os espaços dos candidatos no guia eleitoral. O professor revelou que ele e o outro candidato ao Senado pelo PSOL, Nivaldo Mangueira, têm direito a apenas R$ 7 mil para campanha e que a verba acabou sendo gasta apenas com a organização de produção do guia eleitoral.

Para o candidato, apenas uma reforma política para que os candidatos tenham um sistema de igualdade. “A gente não pode ter um candidato com sete segundos e outros com dois minutos, essa diferença que cria a desigualdade na representação. A nossa chapa do Senado tem apenas 35 inserções (no primeiro turno) e há outras que têm mais de cem”, questionou.

Educação

O professor Nelson Junior também foi provocado sobre o fato de se o seu histórico de militância aguerrida poderia comprometer o seu resultado nas urnas. Para o candidato, o eleitorado dele é muito convicto de seus posicionamentos políticos. Uma das bandeiras do professor é pela educação superior de qualidade.

“Quem vota em mim vota sabendo que sou combatente. Desde o início do governo do estado lutamos contra a redução do orçamento da universidade. Há três anos que a UEPB está com o orçamento congelado. Como se mantém uma universidade assim? Como senador e como militante continuarei lutando pela educação. A minha luta pela UEPB não é pessoal, nem de quem quer se eleger, estamos numa luta em defesa da educação”, declarou.

Entrevistas

A sabatina teve início nesta segunda-feira (3), com entrevista ao senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que disputa a reeleição. Na terça-feira (4), foi a vez do ex-governador Roberto Paulino, que é candidato único ao Senado pelo MDB.

As entrevistas ocorrem em rede, a partir das 10h, e são transmitidas pela CBN João Pessoa e pela CBN Campina Grande, com perguntas formuladas por âncoras e colunistas. Há também a participação dos ouvintes.

Assim como os senadores, a CBN vai sabatinar também os candidatos ao governo do Estado. Serão 40 minutos de entrevista, descontados os intervalos. Pela ordem, o primeiro a participar será o candidato ao governo da Paraíba pelo PSOL, Tárcio Teixeira.

A ordem dos entrevistados foi definida por meio de sorteio, com a presença de representantes de todos os partidos. Será uma grande oportunidade para que os eleitores paraibanos possam conferir as propostas dos postulantes.

 

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Senado:

Dia 3 – Cássio Cunha Lima (PSDB)
Dia 4 – Roberto Paulino (MDB)
Dia 5 – Nelson Júnior (Psol)
Dia 6 – Nivaldo Mangueira (Psol)
Dia 10 – Luiz Couto (PT)
Dia 11 – Veneziano Vital do Rêgo (PSB)
Dia 12 – Daniella Ribeiro (PP)

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Governo:

Dia 17 – Tárcio Teixeira (Psol)
Dia 18 – Rama Dantas (PSTU)
Dia 19 – José Maranhão (MDB)
Dia 20 – Lucélio Cartaxo (PV)
dia 24 – João Azevêdo (PSB)